O Município: Histórico | Localização | Hospedagem | Gastronomia | Pontos Turísticos | Legislação

Em 04 de maio de 1816, foi criada a Paróquia de S. José do Patrocínio, sendo erguida a Capela em 1822 e celebrada a primeira missa em 1823. 
A capela de São José do Patrocínio foi erguida por iniciativa do Vigário Geral, Antônio Vieira da Soledade e pelos moradores. A partir deste marco, surgiu a vila de São José do Patrocínio, na sesmaria doada por Manuel José de Vargas e sua esposa Desidéria Maria Prates Oliveira.  
Nosso Município já teve várias denominações: Freguesia de São José do Patrocínio, Vila de São José do Patrocínio, Abolição e atualmente Amaral Ferrador. Este nome é uma homenagem ao General José Amaral Ferrador, cidadão cuja origem é bastante polêmica e os registros disponíveis são resultado do relato de alguns historiadores. Segundo o texto deixado pelo já falecido pesquisador Humberto de Castro Fossa, o homenageado era natural de Rio Pardo,onde teria nascido em 1801. Faleceu neste Município, em 1879, quando então éramos distrito do município de Encruzilhada do Sul. Envolveu-se na Revolução Farroupilha desde o seu início (1835), distinguindo-se em vários combates, por seu valor e intrepidez. Terminada a revolução, ocupava o posto de Capitão do Exército. Mais tarde teve grande desempenho na Guerra do Paraguai, de onde voltou com o posto de Coronel.Com o fim das lutas, veio para este Município, onde se dedicou à agricultura e à pecuária. Foi promovido a General do Exército Nacional, em 1922, durante as comemorações do Centenário da Independência do Brasil.
Em 1963,  Encruzilhada do Sul foi demarcada com uma área de aproximadamente 5.000 km2, sendo que a carência de recursos tornava inadiministrável a área, gerando a necessidade de que alguns recantos mais isolados buscassem a sua independência.Foi então que Amaral Ferrador, único distrito daquele Município, iniciasse a luta para sua emancipação político-administrativa.
O processo se arrastou por mais de 20 anos. A falta de infra-estrutura tornava infrutífera a tentativa.
A comunidade foi se organizando. Em 1986, contando com os serviços essenciais nas áreas de saúde, educação, serviços e segurança, foi formada a Comissão que se empenharia para alcançao o objetivo de independência. Uniram-se ao nosso ideal várias pessoas influentes da Região, além de políticos vinculados ao nosso objetivo.
Houve uma corrente contrária ao movimento, que tentou impedir o sucesso da iniciativa. Graças ao trabalho da Comissão Emancipacionista, à atuação dos advogados Otávio Caruso da Rocha (já falecido) e Genaro José Baroni Borges e ao correto julgamento dos tribunais, vencemos a batalha e realizamos a consulta que culminou com a nossa Emancipação.
 
CONHEÇA OS MEMBROS DA COMISSÃO EMANCIPACIONISTA:
Presidente: Milton Nunes Araújo; Vice Presidente: Rivadávia Correa da Costa; 1º Secretário: Lyone Leite da Silva; 2º Secretário: Luiz Rogério da Silva; 1º Tesoureiro: Mário Lacerda da Costa; 2º Tesoureiro: Zeferino Castilhos Florisbal; Conselho Fiscal: Júlio de Vargas, Livio Ferreira Leite e Marcelo de Oliveira Rosa.
 
SAIBA UM POUCO DO PROCESSO:
31.08.1987 - Protocolado o pedido de credenciamento, originando o Processo 5382/87-4.
03.11.1987 - Requerida a autorização para a consulta plebiscitária, Processo  7459/87-4
04.11.1987 - Autorizada a realização da consulta plebiscitária - Processo  7509/87-1
08.04.1988 - Mandado de Segurança 588015610 - Processo 1912/88 - Contra a Emancipação
10.04.1988 - Realização do Plebiscito
cujo resultado foi o seguinte: 2939 eleitores inscritos, com 2.302 votantes, distribuídos em 10 seções, com 1.606 votos SIM, 658 votos NÃO, 22 votos brancos e 16 votos nulos.
 
12.05.1988 - Processo 2634/88 (04.05.88) - Projeto de Lei 147/88 - Lei Estadual 8625 - Cria o município   de Amaral Ferrador.
 
 
 
Pça. 4 de Maio, 16 - Cep 96635 - 000 Tel. (51) 3670 - 1800 | Logar no Portal | Webmail